Vamos desvendar as esferas do dragão! E com elas desvende também de onde veio a inspiração de Akira Toriyama, autor de Dragon Ball, para o famoso monumento onde se encontram as sementes dos deuses, a Torre Karin.
Vista superior da Torre Karin, na arte de Dragon Ball Online.
[Visite os monumentos desta série:]
A Sala de Justiça dos Superamigos.
O Castelo de Grayskull de He-Man e She-Ra.
A Toca dos Gatos e o Olho de Thundera dos ThunderCats.
O Santuário das 12 Casas dos Cavaleiros do Zodíaco.

Durante 3 empolgantes anos (1986-1989) um anime repleto de criatividade, tendo uma criança de 10 anos de idade por protagonista, iria fazer o Ocidente se apaixonar de vez pela cultura nipônica, e, no decorrer das décadas, se tornar a franquia em anime mais comercializada de todos os tempos, com $5 bilhões; era o animangá Dragon Ball e seu protagonista, Son Goku. O enredo começou simples, mas depois foi se elevando a algo mais complexo: Goku conhece uma aventureira, Bulma, que pretende reunir 7 esferas perdidas pelo mundo a fim de invocar o dragão Shenlong, que, segundo o folclore, realiza 3 desejos do possuidor das esferas. Seguindo o recurso da jornada do herói, uma infinidade de locais e de personagens Bulma e Goku vão conhecendo até que se deparam com a Torre Karin, a maior torre do mundo já construída, a qual poucos conhecem e muito menos a subiram. A Torre Karin representava, a um só tempo, um desafio mortal e uma conquista para qualquer guerreiro, pois escalá-la representava a vida ou a morte; a vida, porque se um guerreiro conseguisse alcançar seu topo, encontraria o eremita Karin, um gatinho branco antropomorfo que o daria da água sagrada e da semente dos deuses, que aumentavam o vigor e o tornavam mais forte; a morte porque, em geral, os lutadores normais morriam no caminho, antes mesmo do meio da torre, ou caindo ou congelados pelo frio atmosférico. Um dos lutadores mais famosos que conseguiram subir foi o Mestre Kame-Sennin, professor de Goku, levando 3 meses para alcançar o topo.

Acima, a Torre Karin no plano baixo. Abaixo, a figura carismática do gatinho Mestre Karin.

O monumento da torre aparece em um dos episódios mais comoventes da série (e depois dele a torre passaria a ser um elemento regular no anime). Uma força-tarefa chamada Red Ribbon está à procura das Esferas do Dragão para servir a fins experimentais com seus androides em construção, quando descobre que a esfera de 4 estrelas está numa pequena e isolada aldeia indígena para aonde o menino Son Goku também se dirige em busca da mesma esfera. São dois índios que possuem a esfera: Bora (pai) e indiozinho Upa (seu filho). Upa é feito refém e em seu resgate a esfera é pedida. Goku salva o indiozinho e ganha a esfera como recompensa, porém Bora é assassinado por um mercenário, Tao Pai-Pai. Diante da comoção da cena e da dor de Upa, Goku promete vingar Bora, mas como não tinha habilidade para isso, Upa revela uma solução a Goku que poderia torná-lo um dos melhores lutadores do mundo e vingar seu pai; era o desafio de subir sem o auxílio de nada a Torre Karin e lá treinar com o Mestre Karin, beber da água sagrada e comer da semente dos deuses. Goku, sensibilizado com Upa, aceita o desafio e passa a escalar a torre, sofrendo as mais variadas provações: cansaço, frio, fome, sede, medo, insegurança, ar rarefeito, pressão atmosférica, tonturas e a mais tenebrosa dificuldade, a incerteza de que a torre tem mesmo um fim e se é possível ao homem concluir o percurso. Porém em momento algum Goku pensa em desistir ou suicidar-se. Ele segue obstinado, unindo a empatia pelo luto de Upa com seu pessoal desejo de se superar como pessoa. O menino quebra um recorde; é o primeiro lutador a alcançar o topo em 3 dias, extenuado, mas vitorioso. Um exemplo e uma metáfora arrebatadora de força de vontade e persistência em animação.

 

Na imagem de cima, o indiozinho Upa. As dificuldades de Son Goku na subida à torre transitavam entre o cômico e o comovente. O encontro de Goku com Karin o deixou com essa cara. Ele esperava um guerreiro viril e não um gatinho.

E se você soubesse que a Torre Karin ainda está de pé no mundo real? Ela está. Ela era as duas maiores torres da Terra até a década de 1980, no caso, torres de teletransmissão. Uma é a Ostankino Tower, de 540 metros na Rússia, construída em 1967. A outra é a Almaty, de 371 metros no Cazaquistão, em 1982. Ambas ainda existem e estão operando. Vale destacar que Akira Toriyama buscou muitas referências reais para compor o roteiro de Dragon Ball. O próprio mangá foi inspirado no romance chinês Jornada ao Oeste, e em seu primeiro mangá, Dragon Boy (1983), nas lutas marciais do ator Jackie Chan, e a ilha fictícia Tenkaichi Budokai, onde é realizado o Torneio de Artes Marciais no anime, é a Ilha de Bali, na Indonésia; a Torre Músculo das Forças Red Ribbon foi inspirada no jogo eletrônico Spartan X (ou Kung Fu Master, de 1984).

A duas torres. Em cima, a mais antiga, a Ostankino Tower (1967), com 553 metros. Embaixo, a Almaty (1982), com 371 metros. Note que algumas estruturas foram mantidas na do anime/mangá.

A aparição da Torre Karin foi o episódio divisor de águas de Dragon Ball. A partir daquele momento os telespectadores e Goku passaram a saber que existiam planos superiores fazendo parte do mundo de Dragon Ball, que batalhas seriam travadas nesses planos e que o nível convencional da condição dos lutadores, isto é, o nível do solo e da estática em plano terreno, mudaria para sempre. A Torre Karin se mostraria apenas como só mais um nível para se escalar até a chamada Plataforma Celeste, onde vive Kami-Sama. No Brasil o SBT não concluiu a escalada de Goku na Torre Karin, deixando os fãs frustrados sem saber o fim da jornada, voltando a série ao primeiro capítulo.

O elenco da fase da Torre Karin.

Vamos passear com a Nuvem Voadora e sobrevoar a inesquecível abertura de Dragon Ball?

☛ Não perca o penúltimo monumento: a Abel City, cidade de Megaman.