Quem é Adam Warlock, o ser capaz de fazer frente a Thanos?

 

Os irmaõs Anthony e Joe Russo, diretores de “Vingadores: Guerra Infinita”, confirmaram que Adam Warlock, personagem fundamental na batalha contra Thanos nos quadrinhos, não vai aparecer em Vingadores 4. Mesmo com essa informação, o Nerd Tatuado não deixará de situar você sobre quem é esse grande personagem das HQ’s!
Nos quadrinhos, Adam Warlock traz a a Joia da Alma em sua testa, colocada ali por ninguém menos que o próprio Alto Evolucionário na Marvel Premiere Vol.1  #01. Por causa disso, ele tem a função de salvador do universo e de todas as almas, tem uma longa e emaranhada história com a Manopla do Infinito. Sua maior busca, no entanto, é a de todo super-herói cósmico: descobrir quem ele é. Continue a ler para descobrir a verdade incontestável sobre Ele!
Stan Lee e Jack Kirby: o ‘Ele’
1ª aparição de Adam Warlock, ainda como personagem anônimo e sem influência. Por Jack Kirby (1967).

O personagem, criado pelas lendas da Marvel Stan Lee e Jack Kirby, começou sua existência como um ser conhecido apenas como “Ele” em 1967, em Quarteto Fantástico # 66. Para a totalidade da questão, o ser conhecido como Ele assombra o enredo, enquanto gesticula invisível dentro de uma crisálida de tamanho humano. Em Quarteto Fantástico # 67 a namorada cega de Ben Grimm (o Coisa), Alicia Masters, é atraída por uma voz aparentemente angustiada que emana de dentro da crisálida. O enredo do lado dela leva ao próximo arco, no qual Ben Grimm anseia por ser curado de sua horrível condição de Coisa. Nos painéis finais, saem os passos de um homem loiro sem camisa, tendo frustrado a Colmeia, um clube de cientistas que acreditava poder desenvolver um humanoide aperfeiçoado. Depois dessa rápida aparição, ele desaparece do enredo, destinado a permanecer nesse estado anônimo, até que Roy Thomas e Gil Kane o transformaram em Adam Warlock, começando na Marvel Premiere Vol.1 # 01.

O Magus
À esquerda, a versão boa de si mesmo, Adam Warlock. À direita, a versão má, o Magus.

Quando o roteirista Jim Starlin assumiu as rédeas com Warlock em 1975, ele o via como “um tipo de personagem messiânico, ou pelo menos um personagem místico com sua consciência cósmica”. Na verdade, o mesmo tipo de coisa que a Marvel já tinha com o Capitão Mar-Vell. Em vez de reformular o enredo durante sua corrida clássica por Warlock, Starlin decidiu transformar nosso herói em um “esquizofrênico paranoico suicida. E pareceu funcionar muito bem”.

Magus… O inimigo de Adam Warlock não é uma fera alienígena horripilante como Thanos ou uma entidade cósmica devoradora de mundos como Galactus. Não, seu pior inimigo é ele mesmo, sua versão do futuro – a figura da perversa “Igreja Universal da Verdade”. Não obstante os paradoxos do tempo, uma vez que Adam Warlock e o Magus são um e o mesmo ser, Warlock só pode derrotar o Magus por meio de um ato de “auto-aniquilação”. Os males do Magus voltam a assombrar Adam de novo e de novo.  Uma frase de desculpa como “não fui eu, era o meu futuro”, não funcionava para Warlock nos quadrinhos, como uma desculpa para os erros.

A Technarquia
Um membro da Technarquia, conceito criado por Chris Claremont.

Começando em Novos Mutantes # 18 (1984), o lendário escritor Chris Claremont baseou-se na dicotomia Warlock/Magus de Starlin ao introduzir a Technarquia, uma sociedade futurista tecno-orgânica no planeta Kvch. Um ser chamado de Magus reina sobre a Technarquia com um punho metálico, senão de ferro.

Um dos filhos e futuros sucessores do Magus, confusamente chamado Warlock, se encolhe com a ideia de ter que enfrentar seu pai em combate, de acordo com o costume tecnológico. O Warlock, covarde, foge para a Terra-616, surge no Instituto Xavier e se junta aos Novos Mutantes. O Magus é finalmente derrubado por uma nova cepa do vírus tecno-orgânico, o mesmo vírus de carne para metal que Cable está constantemente se defendendo.

Adam Warlock é uma espécie de fluência
Conflitos com Thor.

As interações de Adam Warlock com o sexo oposto foram menos que ideais. Em Quarteto Fantástico # 67 o ser ainda conhecido como Ele atraiu a namorada cega de Ben Grimm, Alicia Masters, para sua crisálida com um grito. Em Thor # 134-135, Warlock tentou sequestrar Sif e mantê-la como sua “companheira”. Thor interveio e agrediu o agressor, mas isso não diminui a falta de credibilidade criminosa das ações dele. A decisão final do Feiticeiro de fugir da violência da Terra pode ser vista como sua primeira – mas certamente não sua última – tentativa fútil de fugir de si mesmo.

Gil Kane e Roy Thomas: som, visual e estilo característicos

Detalhes sensoriais são essenciais para todos os quadrinhos cósmicos da Marvel – Doutor Estranho, Capitão Marvel e, é claro, Adam. Credenciado em Warlock # 2 como “Conselheiro Espiritual “, o artista Gil Kane atualizou o visual de Adam Warlock, do minimalismo de peito nu de Ele, para a icônica camisa vermelha adornada com um raio.

Além de adicionar piadas internas, estreitar o diálogo da Marvel e escrever alguns dos melhores arcos da história dos quadrinhos, Roy Thomas deu os efeitos sonoros de ação de Adam Warlock. A onomatopeia e a prosa ornamentada de Thomas, percussivas e pesadas, se basearam nas tradições clássicas popularizadas por Jack Kirby e Stan Lee.

Adam Warlock em Desafio Infinito
A versão mais conhecida de Warlock em “Desafio Infinito” (1991). Foi nessa saga que o personagem se popularizou entre os leitores.

Warlock realmente se mudou para o palco principal da Marvel com dois contos cósmicos: “Thanos em Busca do Poder” de 1990 e o arco “Desafio Infinito” de 1991. Ele foi o protagonista da luta entre Thanos e os Vingadores, e não só esses, mas do conflito cósmico com todo o panteão de personagens Marvel. Ele liderou e unificou grupos e equipes, muitas vezes opositoras umas das outras na causa comum, que era repelir a ameaça de Thanos e retaliar o maior ato terrorista então visto e feito por um vilão: eliminar metade dos seres vivos do universo. Em uma sala de audiência metafísica, a entidade cósmica Eternidade, cobiçosa pela Manopla do Infinito, tenta argumentar que as origens artificiais e a história de comportamento impulsivo de Warlock o tornam impróprio para ser uma divindade. Após a dissolução desse julgamento, Warlock confia a cada membro de uma equipe heterogênea uma das Joias do Infinito, como um tipo de ato protetivo às Joias.

A Joia da Alma é uma bênção ou uma maldição?

Com grande poder, vem uma grande responsabilidade, como os fãs da Marvel estão cientes – e Adam Warlock nunca pediu nada disso. Diante do argumento de que, como disse o site Newsarama, ele alcançou a glória de super-heróis depois que o Alto Evolucionário disse casualmente: “Ah, ei, eu acabei de ter essa coisa por perto, coloquei na sua testa”, disse o escritor e artista Jim Starlin, rindo, “sim, eu sempre me diverti com isso. E quando eu continuei, percebi que o Alto Evolucionário não lhe fez nenhum favor, porque ele basicamente transformou Warlock em um vampiro espiritual!”. As ações do Alto Evolucionário acabariam sendo bastante úteis para o universo em geral mais tarde, mas ainda assim, isso é um movimento simplório.

Stephen Strange, o elo vivo entre Adam, “Ele”, e Ayesha, “Ela”.
A ligação estranha entre “Ele” e “Ela”

Ao longo dos anos, Adam Warlock e Doutor Estranho se uniram e lutaram entre si em diversas ocasiões. Uma ocasião memorável aconteceu entre Desafio Infinito e Guerra Infinita, colocando Warlock contra as relíquias e talismãs do Doutor Estranho.

As sementes deste confronto foram plantadas anos antes. Em 1963, um curta chamado “Dr. Estranho, Mestre da Magia Negra!” na antologia de horror, Strange Tales # 110, apresentou aos leitores uma versão “apressada” do Doutor Estranho de Stan Lee e de Steve Ditko. O super-herói mais explicitamente mágico da Marvel, Estranho, atravessava planos de existência e exercia magia exótica para remodelar a realidade. No início dos anos 1970, escritores como Steve Englehart lançaram o personagem de cabeça no desconhecido etéreo, preparando-o para reuniões inevitáveis ​​das mentes com o outro bruxo cósmico da Marvel.

Em O Incrível Hulk Anual # 06 é revelado que seus destinos, isto é, o de Adam Warlock com o Dr. Stephen Strange, estão inextricavelmente ligados por Ayesha, Aka Kismet, também conhecida como “Ela”. Doutor Estranho foi enganado para realizar uma operação na Colmeia, que, de uma forma indireta, levou à criação de Ayesha. “Ela” é, portanto, para “Ele”, o Warlock.

Dado que nem o Estranho nem o Hulk eram parte da origem de Adam Warlock vislumbrada nos momentos finais de Guardiões da Galáxia Vol.2, apostamos que demorará algum tempo até vermos “Ele” no Universo Cinematográfico da Marvel. Aguardemos!