Por Vladimir Nabokov.
Escrito por Vladimir Nabokov.

Lolita, luz de minha vida, labareda em minha carne. Minha alma, minha lama. Lo.li.ta: a ponta da língua descendo em três saltos pelo céu da boca para tropeçar de leve, no terceiro, contra os dentes. Lo.Li.Ta

Pela manhã ela era Lô, não mais que Lô, com seu metro e quarenta e sete de altura e calçando uma única meia soquete. Era Lola ao vestir os jeans desbotados. Era Dolly na Escola. Era Dollores sobre a linha pontilhada. Mas em meus braços sempre foi Lolita”.

E assim começa o polêmico Lolita de Vladimir Nabokov, escrito em primeira pessoa, contado por Humbert Humbert (H.H).

Resumindo: H.H é um professor de meia idade que, ao chegar nos Estados Unidos, acaba se hospedando na casa de uma viúva. Logo ele vê sua filha Dolores e se apaixona pela menina de doze anos. Em certa parte da leitura você descobre que, devido a algumas circunstâncias, H.H se vê sozinho e tendo que “cuidar” de Dolores.

Minhas Impressões

Lolita é uma leitura impactante e revoltante em diversas partes, mesmo porque o tema não é fácil. Humbert Humbert sabe que é doente, já passou por sanatórios. Com o decorrer da leitura você descobre que além de tentar justificar muitos de seus atos, ele não se exime de nenhuma culpa, o que é o ponto forte da história.

Mesmo falando de um tema como pedofilia, ele também fala de obsessão. Isso porque a vida de H.H gira em torno de Lolita. Não se trata de uma história de amor, mas ainda assim acredito que o personagem sinta algo por Lolita que não apenas a obsessão. Deixo claro que não estou concordando com o que fez H.H, de forma alguma! Inclusive há partes no livro que você se pega criando um vinculo de afeição com ele, mas que passa logo que ele começa a falar sobre a personagem.

Mesmo sendo uma leitura que causa choque no leitor, não há como parar de ler.

Vladimir Nabokov tem uma das escritas mais lindas que já tive a oportunidade de ler num livro, isso é tão bom que a leitura flui muito facilmente. Embora seja um livro traduzido para o português, Jorio Dauster fez um trabalho excelente nessa tradução.

Lolita consegue ser intrigante?

Você, leitor, precisa saber o final dessa história, e quando acabar você vai se pegar falando “não acredito”.

Infelizmente a leitura inteira é narrada pelo H.H, então você tem que desconfiar que nem tudo que ele diz é verdade. Mesmo quando ele tenta te convencer com muita firmeza, jamais saberemos o que era realmente verdade, pois não há o ponto de vista de Dolores Haze.

Lolita é um livro que sempre será polêmico, e muitas pessoas podem gostar dele ou não, mas é bom ler para tirar suas próprias conclusões.

O que você precisa saber!

Dominique Swain e Jeremy Irons.

Lolita foi adaptado para o cinema em 1962 por ninguém menos que o incrível Stanley Kubrick. E tem uma segunda adaptação dirigida por Adrian Lyne em 1997, com Jeremy Irons e Dominique Swain, que eu tive a oportunidade de assistir (encontrei no Youtube).

Sobre o filme: é muito visível a forma como eles sensualizam Lolita o tempo todo. No livro, nós sabemos que antes de amadurecer Lolita é só uma criança. Já no filme tudo é muito explícito, não há ingenuidade como deveria, eles fazem de H.H um coitado. Ainda assim vale a pena conferir após a leitura.

Caso queira comprar o exemplar, segue link da Amazon.

Caso queira ver a adaptação de 1997, segue abaixo:

Gostou? Quer mais dicas de leitura? Deixe seu comentário e se você já leu, diz aí o que você acha de Lolita!

Xoxo!!