Ontem a galera do Social Comics lançou o selo especial para celebrar o Dia internacional da Mulher, ainda não conheçe o que é Social Comics? E o maior site de Streaming de Hqs da América Latina, ele anunciaram a criação do selo Pagu Comics, que irá compor a coleção de histórias em quadrinhos nacionais feitas por mulheres. Uma grande iniciativa que tem o intuito de fomentar a produção delas no mercado de HQS e elas já representam cerca de 7% dos artistas independentes com obras ativas.

O projeto é coordenado pelo time de quadrinistas que fica a cargo de Ana Recalde, artista brasileira e co-autora da graphic novel Beladona, que rendeu a ela o prêmio HQ Mix como melhor quadrinho em 2014 junto com Denis Mello. Essa iniciativa tem parceria com a Editora Cândido, do Rio de Janeiro.

Ana Recalde, coordenadora do selo Pagu Comics afirmou: “A ideia é incentivar essas artistas para que produzam histórias exclusivas de forma consistente e simultânea, impulsionando ainda mais o mercado”.

As primeiras artistas com trabalhos confirmados no selo Pagu Comics são:

Blenda Furtado, professora (Curso de Desenho e Curso de Mangá) no Estúdio Daniel Brandão, em Fortaleza (CE), lapista, arte finalista e colorista.

Chairim, ilustradora e colorista paulista, criadora de obras como: Purple Apple, Mare Rosso e As Aventuras da Bruxinha Mô (1 e 2), A Última Lenda e Livro de Conselhos do gato Darazar.

Dani Mota, ilustradora e designer de São Paulo, colaboradora do projeto Amarelo Criativo.

Germana Viana desenhista, letrista e roteirista, é autora de Lizzie Bordello e as Piratas do Espaço e integrante do coletivo de quadrinhos CBGiBi, além de trabalhar com editoras como a Panini e a Jambô.

Milena Azevedo, roteirista de histórias em quadrinhos, cinema e games, presta curadoria para eventos de cultura pop.

Roberta Araújo, estudante de história da arte, criadora e administradora da página Mulheres Nos Quadrinhos, organizadora dos livros MNQ volume 1 e 2 e roteirista do coletivo Capa Comics.

“Quando lançamos o Social Comics em agosto de 2015, apenas 5% da base de nossos assinantes eram mulheres. Hoje, crescemos para 12% e queremos aumentar cada vez mais esse número”, finaliza Marcelo Bouhid, diretor de marketing do Social Comics.

Para saber mais, acesse: www.socialcomics.com.br.

Sobre o Social Comics:

O Social Comics é uma plataforma de streaming de quadrinhos com um conceito similar à Netflix, que por um valor mensal de R$ 19,90 disponibiliza mais de 1.500 histórias em quadrinhos no formato digital. A empresa nasceu em 2015 com obras antigas e inéditas de autores independentes, além de exemplares das maiores editoras do gênero do país, como a Devir, a JBC, a HQM (que tem os direitos da Valiant no Brasil), a Mythos, a Editora Nemo, a Aleph e a Mauricio de Sousa de Produções, além da Dark Horse Comics, uma das principais editoras dos Estados Unidos. Em novembro de 2015 o Social Comics recebeu um investimento de R$ 2 milhões do Grupo Omelete, que planeja a internacionalização da plataforma para a América Latina e para os Estados Unidos.