A criação do quadrinista belga Hergé está celebrando 90 anos: Tintim, o mais simpático e um dos grandes heróis das HQs europeias é a estrela de 24 aventuras.

Tintim, o pequeno detetive, foi publicado pela primeira vez no dia 10 de janeiro de 1929, nas páginas do suplemento juvenil, Le Petit Vingtième, do jornal Le Vingtième Siècle. Nessa data, começou a aventura Tintim no país dos Sovietes (Tintin au pays des Sovietes), uma história polêmica, fruto do contexto de sua época e da forte influência do abade Norbert Wallez, um padre católico ultraconservador, que era o editor do jornal.

Tintin Au pays des sovietsTintin Au pays des soviets

O que veio depois?

Depois vieram Tintim no Congo (1930), Tintim na América (1931), Os Charutos do Faraó (1932), O Lótus Azul (1934), O Ídolo Roubado (1936), A Ilha Negra (1937), O Cetro de Ottokar (1938), O Caranguejo das Pinças de Ouro – volume lançado anteriormente no Brasil com o título O Caranguejo das Tenazes de Ouro – (1940), A Ilha Misteriosa (1941), O Segredo do Licorne (1942), O Tesouro de Rackham, o Terrível (1943), As Sete Bolas de Cristal (1943), O Templo do Sol (1946), Tintim no País do Ouro Negro (1948), Tintim Rumo à Lua (1950), Tintim Explorando a Lua (1952), O Caso Girassol (1954), Perdidos no Mar (1956), Tintim no Tibete (1958), As Jóias da Castafiore (1962), Vôo 714 para Sidney (1966), Tintim e os Pícaros (1975), e Tintim e a Alfa-Arte, aventura incompleta publicada postumamente como álbum em 1986.

Com essas aventuras, muitos personagens vieram fazer companhia ao repórter Tintim, e seu cãozinho, Milu: os detetives, Dupond e Dupont; o marinheiro beberrão, Capitão Haddock; o inventor surdo e aloprado, Professor Girassol; a diva da música – o rouxinol milanês -, Bianca Castafiore; e o nefário vilão Roberto Rastapopoulos.

As várias edições de Tintim

O que muitos leitores desconhecem é que a maioria desses álbuns possui diversas versões além das modernas, disponível no Brasil na coleção publicada pela Cia. das Letras.
Tintin L'ile NoireExistem edições fac-símiles reproduzindo fielmente as nove primeiras aventuras (de Tintim no país dos Sovietes a O Caranguejo das Pinças de Ouro), em preto e branco, como saíram nos álbuns da época. Também existem fac-símiles das primeiras edições dos álbuns coloridos, todas elas com diferenças em relação as edições modernas. São 22 volumes:

  • Tintim no Congo (edição de 1946);
  • Tintim na América (edição de 1945);
  • Os Charutos do Faraó (edição de 1955);
  • O Lótus Azul (edição de 1946);
  • O Ídolo Roubado (edição de 1943);
  • A Ilha Negra (edição de 1943);
  • O Cetro de Ottokar (edição de 1947);
  • O Caranguejo das Pinças de Ouro (edição de 1943);
  • A Ilha Misteriosa (edição de 1942);
  • O Segredo do Licorne (edição de 1943);
  • O Tesouro de Rackham, o Terrível (edição de 1945)
  • As Sete Bolas de Cristal (edição de 1948);
  • O Templo do Sol (edição de 1949)
  • Tintim no País do Ouro Negro (edição de 1950);
  • Tintim Rumo à Lua (edição de 1953);
  • Tintim Explorando a Lua (edição de 1954);
  • O Caso Girassol (edição de 1956);
  • Perdidos no Mar (edição de 1958);
  • Tintim no Tibete (edição de 1960);
  • As Jóias da Castafiore (edição de 1963);
  • Vôo 714 para Sidney (edição de 1968);
  • Tintim e os Pícaros (edição de 1976).

 Tintin in the Congo

Além disso, a Moulinsart – empresa que administra da obra de Hergé – também lançou edições fac-símiles das versões publicadas nos jornais. Destacam-se:

O Templo do Sol (edição fac-símile colorida das tiras do Journal de Tintin, 1946-1947);

O Caranguejo das Pinças de Ouro (edição em preto e branco, que inclui as tiras diárias do jornal Le Soir Jeunesse, publicadas durante a ocupação alemã da Bélgica, 1940);

Les Mystères 7 Boules de Cristal (edição comentada, com o contexto de publicação da época, que reproduz, em preto e branco, as 153 tiras originais (1942-1944);

La Malédiction de Raspar Capac, volumes 1 e 2 (edição comentada – texto totalmente diferente dos especiais anteriores – com as páginas fac-símiles das tiras das aventuras: As Sete Bolas de Cristal(edição de 1943-44, em preto e branco) e O Templo do Sol (edição de 1946-1948, a cores);

La Malédiction de Raspar Capac

Les Tribulations de Tintin au Congo (edição com as tiras em preto e branco publicadas em 1940, no jornal belga de língua holandesa Het Laatste Nieuws. Essa versão é intermediária entre a HQ original de 1930 e a edição colorida de 1946);

À la recherche du Trésor de Rackham le Rouge (reprodução comentada das 183 tiras originais, em preto e branco, 1943);

Les vrais secrets de La Licorne (reprodução comentada, em formato horizontal, das tiras originais, em preto e branco, 1942);

Dossier Tintin – L’Ile Noir (edição integral comparativa das três versões de A Ilha Negra);

Tintim no país dos Sovietes (edição comemorativa, colorida, 2017).

Certamente novas publicações interessantes ainda serão lançadas em 2019, para celebrar os 90 anos da maior criação de Hergé.

O Templo do Sol

.

.

Tintim

Do Nerd Tatuado, nossos parabéns a você, pequeno notável detetive!