Fala galera!

 Chegamos a mais uma Visão Além do Alcance e está bem nostálgica.

Vamos falar de uma obra que iniciou uma geração, que ainda nem sabia muito bem o que era um anime, no mundo dos desenhos animados japoneses. Os mais novos podem estranhar, mas a época era outra: internet ainda não existia, tampouco canais dedicados à cultura nipônica, e coube aos canais abertos a tarefa de apresentar ao grande público os primeiros animes shounen. Apesar de tais dificuldades, nada impedia que todo sábado a criançada corresse para a frente da TV para ver o Sábado Animado do canal SBT e cantar “Fly,Fly, Fly, quer a paz que o inimigo destróóóói…

Sim, amigos, hoje falaremos de Fly, o pequeno guerreiro (Dai no Daiboken). É importante dizer que o anime nunca foi terminado, mas o mangá sim e concluiu a história.

fly

História

Há muitos anos, o planeta foi ameaçado pelas forças do mal, comandadas pelo imperador Hadler e seus batalhões. O caos reinava, mas um grupo de 4 heróis ousou desafiar esta tirania. Liderados por Avan, Loca (um outro poderoso guerreiro), Leyra (uma clériga especializada em magias de cura e Matoriv (um mago cuja especialidade eram magias de fogo), o grupo foi capaz de enfrentar cada uma das dificuldades, até chegar ao castelo de Hadler. Derrotado pelo famoso golpe de Avan – “Espada Letal de Avan” -, Hadler viu seu império ruir, nesta que sempre será lembrada como A batalha dos Reis.

O mundo está em paz e o pequeno Fly vive tranquilamente na pequena ilha de Dermilin com seu avô Blass, um dos muitos monstros que lá habitam em harmonia com a natureza e com as outras espécies. Pelo medo que as pessoas ainda guardavam destes seres que outrora formaram a força demoníaca de Hadler, Avan os colocou na ilha para que vivessem tranquilamente. A despeito da relativa calma no mundo, Blass sempre pareceu temer pela volta dos seres malignos e tentou ensinar a seu neto desde cedo a utilizar a magia, mas Fly parecia não levar jeito para coisa. Este, por sua vez, sempre parecia distante, acreditando que as habilidades de mago não seriam tão importantes para realizar seu sonho – tornar-se um herói – e contava com a ajuda de Gome, um pequeno monstro dourado alado, para passar por suas tarefas diárias.

Dentre as diversas situações vivenciadas por Fly, a chegada de Avan e seu aprendiz de mago Pop transformou drasticamente sua vida. Percebendo a vontade e potencial de Fly, Avan o acolhe como segundo aprendiz e passa a o ensinar suas técnicas secretas e quando as utilizar, atendendo o pedido da princesa do reino de Papunika, Leona. A grande verdade é que a intuição de Avan o dissera para ir a ilha Dermilin, por temer a volta do imperador Hadler. Na metade do treinamento de seus discípulos, seu pior pesadelo vem à tona: o imperador do mal retornara após 15 anos, ressuscitado por um dos líderes de seu esquadrão, e estava lançando seus feitiços para comandar os seres do planeta, tornando-os novamente seus seguidores. Avan tenta frustrar suas ambições, criando uma barreira mágica, para evitar que os seres da ilha sejam afetados pela influencia maligna.

Hadler, temendo o único ser que fora capaz de o deter no passado, decide ir pessoalmente a ilha de Dermilin e encarar Avan. A batalha é feroz e o resultado decide o futuro de cada um de seus participantes. Após tal embate, Fly decide seguir seu caminho para tornar-se um herói. Em sua jornada, Fly tenta compreender um pouco do seu poder oculto, que por diversas vezes o ajudou. Mais que isso, viria a enfrentar novos desafios e fazer alguns bons amigos, como Maam, detentora de uma arma bem especial. Durante estas batalhas, vemos várias respostas sendo dadas, poderes novos descobertos, traições e muitas referências aos jogos de RPG. Por falar em jogos, o título original de Fly é “Dragon Quest” (A jornada do Dragão, em tradução livre) e foi utilizado também para publicidade da franquia homônima que tem diversos títulos. É interessante ver que vários personagens do jogo podem ser identificados no anime e vice-versa.

Anime

Fly contou com 46 episódios e adaptou 5 sagas do mangá, Saga de Hadler (episódios 1-9), Saga de Crocodinne (episódios 10-18), Saga de Jenki (episódios 19-26), Saga de Freezard (episódios 27-39) e Saga de Baran (episódios 40-46)O estúdio responsável pela animação foi o famoso Toei Animation, responsável por títulos mundialmente conhecidos, como Dragon Ball, Cavaleiros do Zodíaco e Sailor Moon. Aqui, por sinal, vemos um desenho muito parecido com o de Dragon Ball, o que levou várias pessoas a pensar tratar-se de mais uma obra de Akira Toriyama. Fly começou a ser transmitido no Brasil pela SBT em 1996 e teve dublagem da saudosa Gota Mágica. Infelizmente, por não ter tido o êxito esperado no Japão e por uma briga entre a Square – Enix e a Toei, a adaptação do anime não foi completada, o que deixou muitos fãs curiosos e tristes por aqui.

Mangá

Originalmente conhecido com Dai, as aventuras do nosso amigo Fly foram finalizadas no mangá de número 37 e foi publicado pela Shueisha entre 1989 e 1996 em sua famosa revista Weekly Shonem Jump, casa de mangás consagrados como Hunter x Hunter, Bleach e One Piece. Os responsáveis pela obra são: Riku Sanjo (roteiro) e Koji Inada (desenhos).  Infelizmente não tivemos  a sorte dos espanhóis e o mangá não foi lançado por aqui.

fly3
Capa do mangá espanhol.

Porque Sim

* Nostalgia! Sim, nostalgia é vida;

* É bom conhecer um anime que fez parte da leva que marcou uma geração no Brasil;

* Fly é um personagem bem cativante, suas atitudes são bem naturais, não parecendo forçadas;

* A história é bem elaborada e alterna bons momentos de aventura, ação, comédia e até drama;

* Fly envelheceu muito bem e não parece bobo ou repetitivo;

Porque Não

* Apesar do fácil acesso do mangá na web, o anime não foi concluído e prejudica a experiência;

* Mesmo tendo cenas de violência, Fly é um anime de universo inocente e algumas pessoas, com a idade, perdem o interesse pelo tipo;

* Para aqueles mais novos, algumas cenas podem incomodar, pelas limitações da época;

E é isto meus amigos, queremos saber de vocês qual a opinião para o próximo post e o sentimento ao lembrar de Fly. Se ainda não conhece a gente, fiquem espertos, porque daqui a pouco estamos chegando junto com mais uma análise porreta para vocês.

Valeu!

COMPARTILHAR
Posts anteriorSinal e Ruído, de Neil Gaiman e Dave Mckean
Próximo PostMuito além da cueca por cima das calças – Parte 1
NeZ teve uma sorte danada na infância,foi apresentando ao mundo dos games por seu tio, o qual tinha uma locadora de games e o presenteou com um Atari surrado. Depois disso o menino gostou da brincadeira e não parou mais. No mundo dos animes, porque não citar a influência da saudosa Rede Manchete, responsável pelo início da paixão com Os Cavaleiros do Zodíacos, assistido sempre em conjunto com seu irmão e amigos, o Tokusatsu favorito Jiraiya e Yu Yu Hakusho, homenageado em sua última tatuagem. Por falar nelas, duas e contando,mas que não chegue aos ouvidos da sua esposa, a Alemã é braba. De tanto colecionar, decidiu criar sua própria empresa de comércio de figuras de ação e estátuas, a King Puppen. Têm problemas em escolher qual Mangá ler primeiro.